Explosão de garrafa de cerveja fere cliente num hipermercado em Viana do Castelo – O MINHO

A Câmara de Viana do Castelo acaba de lançar a segunda edição da edição Revista Viana, que conta com fotografia do conceituado fotojornalista Alfredo Cunha.

Em comunicado, a autarquia explica que a revista, redigida em português e inglês, é um convite para visitar Viana do Castelo, dando a conhecer “autênticos tesouros fora das rotas turísticas que animam a cidade e o concelho, para o convidar a descobrir, a saborear e conhecer”.

“Sob a objetiva atenta do conceituado fotógrafo Alfredo Cunha e com textos plenos de experiência, conheça locais como a Serra d’Arga ou fique a saber a história e as ‘estórias’ da nossa Ponte Eiffel, saia do centro da cidade e veja o nosso Farol de Montedor, fique hospedado num alojamento diferente e vá comer nas nossas tabernas, onde o peixe fresco e a simpatia do atendimento são cartão de visita”, desafia o autarca, José Maria Costa, nesta nova edição.

Nascido em 1953, em Celorico da Beira, neto e filho de fotógrafos, Alfredo Cunha, atualmente a residir em Vila Verde, foi cedo influenciado pelo pai António, que o levava para trabalhos exteriores de fotografia, ainda na infância. Reconhecido pela crítica como um dos maiores fotojornalistas da atualidade, foi distinguido com prémios nacionais e internacionais, entre as quais a Comenda do Infante D. Henrique, em 1995. Parte da sua coleção encontra-se no Centro Português de Fotografia do Porto e no Arquivo Fotográfico Municipal de Lisboa, de que é o maior doador.

Alfredo Cunha iniciou em 1970 a sua carreira profissional em fotografia publicitária e comercial e, no ano seguinte, em 1971, a carreira de fotojornalista no Notícias da Amadora. Trabalhou para o jornal O Século e para a revista O Século Ilustrado, na Agência de Notícias Portuguesa – ANOP, nas agências de Notícias de Portugal e Lusa. Adicionalmente, trabalhou no jornal Público como fotógrafo e editor, entre 1989 e 1997, na revista semanal Focus, na RTP, no Jornal de Notícias e na Global Imagens. Ao longo da carreira, publicou diversos livros de fotografia.

A nova “Revista Viana”, a ser distribuída junto da hotelaria do concelho, apresenta, pois, a Ponte Eiffel, “marca inconfundível de quem chega a Viana do Castelo”, o património edificado – Casa dos Nichos, Capela das Malheiras, Igreja de S. Domingos, S. Bartolomeu dos Mártires, Igreja da Misericórdia -, apresentando ainda “as paredes que contam histórias” através do Roteiro do Azulejo e Talha Dourada.

A revista leva ainda os leitores “Em busca da Herança dos Descobrimentos” através do Roteiro Manuelino e ainda a “Uma viagem no tempo” pelo Forte de Santiago da Barra.

A Natureza assume lugar de destaque, com a Serra d’Arga a ser considerada “Um museu ao ar livre”, realçando-se ainda o garrano como “O bravo cavalo das montanhas” e os miradouros como “varandas sobre a cidade”. A revista identifica ainda trilhos de enorme diversidade paisagística e apresenta o Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental (CMIA).O mar e o rio são atrativos do concelho e, por isso, a revista apresenta a Ribeira de Viana, Darque, Castelo do Neiva, e ainda o último construtor de barcos de pesca à mão.

Tal como na primeira edição, é apresentado um conjunto de hotéis do concelho, para referência turística, e a gastronomia, desta vez, incide nas tabernas de Viana do Castelo, com os típicos petiscos regionais e o peixe fresco.
Na Cultura, é apresentada a Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, a Citânia de Santa Luzia, o Museu do Pão de Outeiro e, como não poderia deixar de ser, a Romaria d’Agonia. É ainda apresentada uma proposta para se conhecer a “Cidade Cenário” que tem atraído diversas produções nacionais através da Film Comission e uma cidade “Desportivamente Imparável” que tem conquistado múltiplos eventos nacionais, europeus e até mundiais.

A revista encerra com “Uma economia pulsante” que destaca a economia do concelho, que tem atraído investimentos, coma a Vianatech, o projeto Windfloat e a Solutions 30.

Share:

Geef een reactie